O conceito de polaridade – a chave para o reino informacional

0

Vinte e cinco anos atrás descobri a “Teoria Cromática de Goethe” enquanto estudava Física. Fiquei tão fascinado que deixei de lado meus estudos formais e começei a estudar a ciência da radiação eletromagnética e da luz em particular. Disto vieram diversas patentes, como por exemplo o primeiro “Elipsometro em tempo real”,para determinar a elipticidade da luz, assim como a fundação da companhia de “Instrument Systems”, em Munich http://www.instrumentsystems.com/ – hoje líder mundial na tecnologia de medição da luz.

 

 

Muitos cientistas mal informados consideram que “A Teoria Cromática de Goethe” foi um erro lamentável de sua parte. Mas no meu caso, Goethe foi o responsável por tantas introspecções novas, e ainda são “ortogonais” em comparação ao  que me foi ensinado na universidade.

O próprio Goethe considerava sua “Teoria da Cor” e o livro que escreveu sobre isso, suas principais contribuições para o mundo. Por outro lado, achava que seus trabalhos poéticos eram uma mera expressão de toda a inspiração que obtinha de suas experiências com sua teoria.

O fascínio que Goethe sentia pela vida e pelo trabalho que realizou sobre a “Teoria Cromática”, começou em certa ocasião quando fez uma experiência com um prisma de vidro. Ele observou que quando olhava objetos escuros na frente de um fundo brilhante, conseguia ver um espectro que fosse muito diferente do qual Newton descreveu, e que foi/é considerado o fundador “do conceito espectral da luz”.

Newton fêz suas experiências em uma câmara escura e utilizando seu prisma, olhou através de um furo pequeno na parede, e viu o que hoje se transformou no dogma da ciência – o princípio “da natureza espectral da energia”.


 

Entretanto, Goethe olhou para um ponto preto na frente de um fundo brilhante na luz do dia. O que observou é o que você pode ver hoje em dia com um prisma simples, um espectro das cores com a cor roxo no centro, ao invés do verde tradicional.

 

 

Esta experiência simples, assim como seus livros com centenas de experiências relacionadas e conclusões que Goethe tirou nesta área, foram removidos completamente de nossa compreensão cultural a respeito da cor e da energia em geral. A maioria dos Físicos hoje em dia não teriam nenhum idéia como explicar isso, porque a natureza espectral “da luz branca” é um dogma e uma fundação de tudo o que foi nos ensinado e acreditamos atualmente.

A conclusão de Goethe foi que a luz branca “NÃO CONTEM” todas as cores do espectro, mas que as cores são produzidas por uma sobreposição, por uma fusão da escuridão com a luz. Se a luz é movida sobre a escuridão, com a ajuda de um prisma por exemplo, você obtem o espectro convencional (Newtonian) com o verde no meio.

Quando você move a escuridão sobre a luz você obtem o espectro de Goethe, que tem o roxo em seu centro. Goethe compreendeu que a cor é o produto de uma “interferência” (uma união) da escuridão e da luz, e não que a luz branca se quebra em seus componentes, para produzir o que nós vemos como cores.

A conclusão que Goethe chegou foi que as cores “não estão contidas” na luz branca, mas que são um fenômeno do resultado da interação da luz com a escuridão (ou “Truebe” como ele o chamou).

Para Goethe a luz sozinha não existia, era “um absoluto impossível” e IDEAL. Ele nunca conseguiu fazer nem mesmo Schiller compreender, e  como a maioria dos cientistas da época, estava em busca da “DAS Ding in such selbst” (coisa nela mesmo). Este conceito também causou conflitos e manteve Kant, Hegel e Schopenhauer com os pensamentos ocupados http://www.yoga-vidya.de/Yoga–Buch/StudPhilo/Schopenhauer.html.

Na verdade é muito simples: A COISA NELA MESMO não existe como uma IDÉIA ou um Matrix-elemento, mas as coisas, os eventos, as energias ou qualquer objeto de realidade física, são o resultado da união de 2 elementos da matrix informacional. Após ter se materializado, carrega ambas as polaridades que o criaram (Goethe colocou isto em suas palavras “wuerde es do sonnenhaft do nicht mercadorias DAS Auge morrem nicht de Sonne schauen” – se o olho não tivesse um aspecto do sol – ele não poderia enxergar o sol).


Isto explica 100 anos de confusão sobre a questão se a “Luz é uma partícula ou uma onda”. O aspecto da escuridão da luz é um campo de ondas, um fenômeno não local, visto que a parte luminosa da luz contribui com os aspectos das partículas. O aspecto da luz que enxergamos ou qualquer outro objeto, depende do contexto, pois toda realidade física tem dualidade porque é sempre o produto de 2 elementos da matrix.

Acontece o mesmo no caso do esperma, não se pode dizer se é masculino ou feminino. Naturalmente, quando está se unindo com um óvulo, o género é definido – mas somente se consideramos o género como uma questão meramente bioquímica ou física.

Este equívoco tem uma influência fundamental em como enxergamos a vida e um futuro possível. Na Nova Era e na maioria das vidas das pessoas, há uma esperança secreta, uma crença fixa que eventualmente alcançaremos um estado onde a escuridão será removida de nossas vidas, e a luz e as cores serão as únicas coisas que permanecerão.

Entretanto, Goethe e eu no meu conceito de Equilíbrio Lábil Dinâmico, mostramos que são as polaridades informacionais que dão o nascimento a qualquer coisa que experimentamos neste mundo.

Todas as tradições espirituais têm este conceito de polaridade como seu símbolo principal

A Cruz Cristã/ A Estrela de David/ O Swastika Hindu/ O Yin e Yang



A Nova Era fez do ARCO-ÍRIS seu símbolo principal sem dar-se conta de que o arco-íris, apesar de sua beleza, é somente um efeito da “luz vista antes da escuridão”, ao invés do conceito mais fundamental e mais universal da polaridade. Esta noção unilateral deixou sua impressão no enfoque básico exagerado da nova era a respeito da luz (e sua respresentação como o sorriso, leveza, o agir com calma, não se preocupar, ser feliz), e um impulso constante para tirar as expressões da escuridão da consciência, visto que as catedrais góticas por exemplo, estão ainda cheias de expressões destas forças escuras.


http://www.informationenergymedicine-academy.com/wp-content/uploads/Gothic-Gargoyl-and-Bali-Dragon-300x134.jpg 300w" sizes="(max-width: 839px) 100vw, 839px" />

Gárgolas góticas Dragões de Bali

 

A “INFORMAÇÃO é POLARIDADE”  esta é a descoberta e a compreensão central da Informação, a qual tem conseqüências enormes sobre como enxergamos o mundo e como vivemos nossas vidas.

O Fenômeno Original, como Goethe o chamou, não é “A natureza espectral da energia ou da luz”, nem um vácuo seja ele “logarítmico hiperbólico inverso”, curvado ou qualquer outro. Não se trata de alguns números ou proporções sagradas, nem mesmo formas geométricas sagradas.

O Fenômeno Original  que descreve a origem ou a causa e o desenvolvimento de tudo, é a POLARIDADE INFORMACIONAL. A unidade  menor da matriz informacional é a proporção de 2 polaridades e NÃO DE UM NÚMERO. (Goethe coloca isso nas seguintes palavras: “A proporção é tudo, o número não é nada “).


Em resumo podemos dizer que a Informação=polaridade, e como sabemos que cada forma de energia potencial está baseada, na verdade, em uma ou em outra forma de polaridade, podemos igualmente concluir que a energia potencial = informação.

No link a seguir acesse o conceito de DLE que eu comecei a elaborar em dezenas de comentários e alguns exemplos:

http://www.informationenergymedicine-academy.com/category/dle-dynamic-labile-equilibrium/

É este conceito que declara que a fusão de 2 polaridades é a base de todo o fenômeno físico ou energético. Em outras palavras: “Ao grau que nós removemos ou incapacitamos uma ou diversas polaridades, pela negação de um pólo, talvez porque nós o consideramos incômodo ou perigoso, começa um processo de doença.

Radiônicos e outros métodos que produzem efeitos não-locais não funcionam com energias, fótons ou outras entidades físicas, mas com os elementos da matrix informacional.

Não faz sentido fingir que os processos radiônicos funcionam melhor se estiverem protegidos eletromagneticamente, quando os efeitos não-locais e fora do tempo provam que não é um fenômeno eletromagnético próprio.

Igualmente, isto é apenas uma continuação do erro original de pensar que os efeitos radiônicos são um efeito das ondas eletromagnéticas e que poderiam, conseqüentemente, ser medidos em termos numéricos aquilo que nós chamamos de freqüências.

Se nós compreendemos  os efeitos radiônicos como efeitos informacionais e não como efeitos de energia, e se concordamos  com o que foi mencionado acima que informação= “proporções das polaridades” – e se nós compreendemos que:

1 proporção dimensional é chamada de “ padrão”

2 proporções dimensionais são o que chamamos de esquema, e

3 proporções dimensionais são “formas”….

Então a seguir nós entendemos que os efeitos radiônicos não são criados por freqüências – mas pela informação – se movendo, fundindo e reorganizando o padrão, esquemas e formas – e assim funciona o Sistema CoRe.



 

Share.

About Author

Inergetix, Inc. founder and chief scientist.

Comments are closed.